Terceira live do projeto Integridade Sinduscon-DF debateu "Como combater a cultura da irregularidade?”

Terceira live do projeto Integridade Sinduscon-DF debateu "Como combater a cultura da irregularidade?”
Compartilhe:

Carolina Araújo
Assessoria de Comunicação Social do Sinduscon-DF

Na última terça-feira (5), foi realizada mais uma live do projeto Integridade Sinduscon-DF. O tema debatido foi: “Como combater a cultura da irregularidade?”. O evento foi transmitido ao vivo pelo canal do YouTube do sindicato.

A palestra contou com a presença de Lucio Rennó, professor associado do Instituto de Ciência Política da UnB; Sergio Jatobá, pesquisador do Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais da UnB; Roberto Botelho, primeiro vice-presidente do Sinduscon-DF; e Júlio César Azevedo, diretor de Comercialização da Terracap. A mediação foi realizada pela presidente do Conselho de Ética do Sinduscon-DF, Helena Peres.

Com a palavra, Roberto Botelho destacou que as ocupações irregulares são um grande problema no Distrito Federal e que o crescimento da população no entorno é uma preocupação. “Daqui a dez anos, Brasília vai ter mais um milhão de habitantes que terão que viver em algum lugar. E se a gente não prover as residências para essas pessoas, onde elas vão morar? Elas irão invadir mais áreas, não ficarão sem teto. Ou oferta-se residências ou não vamos conseguir combater a grilagem”, enfatizou.

Sérgio Jatobá explicou que a informalidade territorial é um problema global e que hoje ela se tornou um dos principais entraves para se realizar uma gestão territorial eficiente. “Se estima que, pelo menos, um terço da população urbana mundial viva na informalidade, seja em habitações precárias, loteamentos não legalizados ou situações informais”, enunciou.

Júlio César acrescentou que se o objetivo é mudar a cultura de qualquer coisa é preciso restringir o que não se quer e facilitar o que é de interesse. “A gente não quer ocupação irregular, então é preciso restringir essa ocupação. Eu não conheço nenhum grileiro que tenha ficado 30 dias preso, porque a nossa legislação é benevolente com o grileiro”, justificou.

O professor Lucio Rennó lembrou que apesar dos muitos estudos sobre o tema, ainda faltam dados básicos sobre o déficit habitacional no Distrito Federal e o efeito que a pandemia pode trazer sobre o acesso à propriedade. “É bom pensar como esse perfil do déficit habitacional e da demanda por moradia pode ter sido afetado pela crise da pandemia que vivenciamos neste último ano”, pontuou.

O próximo encontro do projeto Integridade Sinduscon-DF será uma mesa redonda no próximo dia 19 de outubro, terça-feira, às 16h30.

Assista ao vídeo da transmissão na íntegra: Projeto Integridade Sinduscon-DF: Como combater a cultura da irregularidade?

Voltar