Reequilíbrio de Contratos: Sinduscon-DF e Asbraco se reúnem com GDF

Reequilíbrio de Contratos: Sinduscon-DF e Asbraco se reúnem com GDF
Compartilhe:

Carolina Araújo
Assessoria de Comunicação Social do Sinduscon-DF

Na quinta-feira (16), o Sinduscon-DF, representado por seu presidente Dionyzio Klavdianos, e pelos vice-presidentes Ruyter Thuin e Pedro Henrique Ferreira, juntamente com o presidenTe da Asbraco, Afonso Assad, participaram de reunião com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha; o secretário da economia, André Clemente; o secretário de obras; Luciano Carvalho, e o presidente da Novacap, Fernando Leite.

Na pauta, a necessidade de pronta definição por parte do GDF de normativa padrão de reequilíbrio de contratos em virtude dos grandes aumentos de preços de insumos das obras. O objetivo foi mobilizar as secretarias e órgãos na busca de uma solução. “Estamos preocupados para que a mesma ocorra logo e, assim, não tenhamos problemas com paralisação das obras", ressalta o presidente do Sinduscon-DF, Dionyzio Klavdianos.

Pedro Henrique Ferreira pontuou que a paralisação das obras é algo real. “Desde janeiro deste ano estamos em contato com o governo para que o reequilíbrio seja feito e, até agora, quase nenhum foi realizado. E isso tem prejudicado demais as empresas de construção porque os aumentos foram superiores a 30%”. Ele também colocou que as empresas ainda não paralisaram suas obras por confiarem que os procedimentos de reequilíbrio de contratos estão em andamento, mas que pode chegar o momento delas não suportarem tamanho desequilíbrio. 

Afonso Assad destaca que um estudo será realizado e enviado ao secretário de economia do Distrito Federal, André Clemente. “O que o Sinduscon-DF e Asbraco-DF propuseram foi fazer o realinhamento dos contratos pela tabela Sinapi, considerando a data do orçamento que foi feita a licitação, e atualiza. Assim fica equacionado o problema para as empresas”, explicou. Ele enfatizou que se houver demora as obras irão parar.

O governador do DF pediu aos assessores que cuidem do assunto para que se chegue a uma solução de consenso segura juridicamente o quanto antes porque não quer que as obras sejam paralisadas.

 

 

Voltar