Liderança feminina do Sinduscon-DF debate pautas sobre mulheres na construção

Liderança feminina do Sinduscon-DF debate pautas sobre mulheres na construção
Compartilhe:

Lucas Junqueira
Assessoria de Comunicação Social do Sinduscon-DF

Ontem (5), as lideranças femininas do Sinduscon-DF - as vice-presidentes Helena Peres, Joana D'Arc de Almeida, Mirelle Corrêa e Tereza Christina - receberam representantes do gabinete da deputada federal Celina Leão, em reunião sobre pautas ligadas ao público feminino.

Dentre as temáticas abordadas pelo grupo estão: o projeto ''Mulheres na Construção Civil'', a importância das creches para ingresso da mulher no mercado de trabalho, a importância da família e possíveis ações para garantir a qualidade de vida para os trabalhadores e trabalhadoras da construção civil. 

Inclusive, no campo da qualidade de vida, representantes do gabinete da deputada sugeriram que os Centros Olímpicos e Paralímpicos - com atividades supensas devido à pandemia da Covid-19 - fossem utilizados para a realização atividades recreativdas, esportivas e eventos familiares voltados para os trabalhadores do setor. A sugestão será pautada mais profundamente em futuro debate.

Ingresso no setor

No ano passado, Sinduscon-DF e a Secretaria da Mulher do Distrito Federal (SMDF) firmaram convênio para fomentar a inserção do público feminino no setor da construção civil. 

Uma das medidas foi a criação do projeto ''Mulheres na Construção Civil'', que oferece capacitações voltadas às profissões do setor para mulheres no DF. E, por meio do Senai, já foi dado início a primeira capacitação para a função de almoxarife de obras.  24 mulheres - cadastradas no Empreende Mais Mulher, ferramenta da SMDF - estão realizando um curso de almoxarife com duração total de 200 horas, completamente online e gratuito. 

Ao concluírem as aulas, as participantes estarão aptas a ingressarem em vagas de emprego. Inclusive, durante a reunião com o gabinete da deputada Celina Leão, foi proposta uma nova temática para capacitação: ''Violência contra a mulher''.

*Com informações das diretoras do Sinduscon-DF

Voltar