IVV de janeiro mostra mercado imobiliário aquecido no início de 2021

IVV de janeiro mostra mercado imobiliário aquecido no início de 2021
Compartilhe:

Assessoria de Comunicação Social da Ademi DF e do Sinduscon-DF

O mercado imobiliário do Distrito Federal abriu 2021 com desempenho positivo, mantendo a tendência de recuperação registrada no ano passado. Período tradicional de entressafra na incorporação imobiliária, o mês de janeiro registrou Índice de Velocidade de Vendas (IVV) de 8,6% no segmento residencial, resultando no melhor janeiro desde a criação da pesquisa há seis anos. Em janeiro de 2020 esse indicador foi de 5,9%. No primeiro mês desse ano foram lançados três novos empreendimentos, totalizando 230 novas unidades, e comercializados 285 imóveis residenciais no DF.

“Os números mostram que o apetite do comprador e do empreendedor continua, um sinal que nos traz otimismo”, avalia Eduardo Aroeira Almeida, presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi DF). “Os desafios da pandemia ainda estão colocados para o setor produtivo, para toda a sociedade, mas esperamos que as boas condições de aquisição para o consumidor sejam mantidas ao longo desse ano permitindo um bom desempenho para o mercado”.

“Tivemos o melhor mês de janeiro de nossa série histórica, com uma velocidade de vendas surpreendente para um mês historicamente de poucos negócios. Acreditamos que isso seja um indicativo de que 2021 será um grande ano para o mercado imobiliário”, avalia o vice-presidente do Sinduscon-DF, Adalberto Valadão Júnior.

O IVV acompanha o desempenho do mercado imobiliário do Distrito Federal. Iniciativa conjunta da Ademi DF com o Sinduscon-DF, a pesquisa é realizada pela Opinião Informação Estratégica. A coleta de dados é mensal, junto às construtoras e incorporadoras mais representativas do mercado. Quanto mais alto o índice, menor o tempo necessário para vender as unidades dos empreendimentos.

Em janeiro, o maior volume de vendas foi registrado nas regiões administrativas do Noroeste, com 74 unidades; Samambaia, com 48; e Santa Maria, com 40. Nesse período, 80,5% das unidades comercializadas estão em obras, confirmando a confiança do consumidor no futuro.

“Esse é um dado muito importante, pois demonstra o otimismo do consumidor e também sinaliza para efeitos positivos futuros para a economia do DF, com a geração de empregos”, avalia o presidente da Ademi DF. Segundo ele, o lançamento de novos empreendimentos tem reflexos no mercado de trabalho por ao menos três anos, atendendo às diversas fases de execução do projeto até a entrega das chaves.

“O consumidor percebeu que o momento é ideal para comprar imóveis. As condições de financiamento são as melhores de nossa história, novos lançamentos têm trazido boas novidades ao mercado e a valorização já é uma realidade. Considerando a alta demanda e as condições favoráveis, esse ciclo positivo  deve permanecer por um bom tempo”, conclui o vice-presidente do Sinduscon-DF.

Voltar