Guedes admite facilitar a importação de aço para a construção civil

Guedes admite facilitar a importação de aço para a construção civil
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Compartilhe:

Assessoria de Comunicação Social da CBIC

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu, em debate online no 92º Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), a possibilidade de facilitar as importações de aço e de outros insumos básicos da construção civil, como vêm defendendo os empresários do setor.

"Estamos atentos à possibilidade de abrir mais as importações de aço", declarou, acrescentando que está "dando um tempo" às siderúrgicas nacionais para regularizarem a oferta interna de aço. Se a produção brasileira não for ampliada, anunciou que irá começar a reduzir as tarifas de importação.

A medida foi admitida em resposta a uma indagação do vice-presidente de Administração da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Eduardo Aroeira Almeida,  que vocalizou a preocupação dos empresários do setor com o aumento dos preços e a escassez de insumos básicos,  principalmente de vergalhões e PVC.

Segundo a CBIC, o custo com materiais e equipamentos, que subiu 14,49% nos dez primeiros meses do ano, aliado ao desabastecimento, pode  comprometer o excelente desempenho do segmento e sua curva ascendente de geração de empregos em plena pandemia da Covid-19.

Guedes explicou que, com a queda da demanda pela pandemia, as siderúrgicas desligaram 12 altos fornos, que levam tempo e exigem recursos elevados para serem religados. Com a retomada da atividade econômica, disse esperar que a produção interna de aço se normalize.

O ministro da Economia considerou a construção civil um dos motores da reativação da economia – apesar da pandemia, o setor aumentou em 8,4% as vendas de imóveis novos nos primeiros nove meses do ano em comparação a igual período do ano anterior, cresceu 5,6% no terceiro trimestre em relação ao trimestre anterior e gerou quase 139 mil novos empregos nos 10 meses iniciais de 2020.   

"Vocês têm sido parceiros nesta guerra, gerando empregos e preservando vidas nos canteiros de obra. A construção civil se recusou a tomar conhecimento da crise", declarou. "Pode contar conosco. A construção civil continuará a ser a locomotiva puxando a economia com tecnologia e inovação", respondeu a Guedes o presidente da CBIC, José Carlos Martins.

O ministro da Economia comemorou o crescimento de 7,7% do PIB (Produto Interno Bruto) no terceiro trimestre, no último dia 3 pelo IBGE, como evidência incontestável da retomada da atividade econômica e em "V" (forte recuperação após queda acentuada). Criticou "os negacionistas" que refutam a reativação da economia brasileira.

Previu que esta recuperação, que classificou de cíclica, porque baseada no aumento do consumo, proporcionado pelo auxílio emergencial, se tornará, a partir de 2021, numa recuperação  lastreada na base produtiva, pelo aumento dos investimentos privados.

"Não tem ufanismo. Estamos decolando, numa velocidade boa', sublinhou. 

Guedes estimou que o país poderá fechar o ano sem perdas de emprego, apesar da pandemia, porque a geração de oferta de mão de obra vem crescendo há quatro meses seguidos.

Lamentou que a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados,que chamou de "desentendimento político", esteja atrasando a votação de projetos estruturadores, incluindo as reformas tributária e administrativa, mas considerou a disputa como natural. "A democracia brasileira é barulhenta. Toca corneta", salientou.

Assegurou não ter dúvidas de que o Congresso irá aprovar, em 2021, os projetos estruturantes, como a independência do Banco Central, já votada no Senado, o novo marco legal do gás e da navegação de cabotagem, a privatização da Eletrobrás. "O Brasil está voltando forte", enfatizou o ministro da Economia.

O 92º Enic é realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e correalizado por Asbraco-DF, Sinduscon-DF e Ademi-DF. O evento tem como patrocinador silver o Sebrae, como patrocinador platinum Arcelormittal Brasil e Caixa Econômica Federal, e conta com o apoio de Sesi Nacional e Senai Nacional.

Esse webinar foi gravado e está disponível para visualização no site do 92º ENIC. Acesse em cbic.org.br/enic ou faça seu cadastro para assistir, em https://app.virtualieventos.com.br/92enic/inscricao.

Voltar